Sindicato dos Professores do Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana
Portal do SINPES.
Sejam bem-vindos!
Curitiba, 23 de setembro de 2019.
 
O QUE ESTÁ POR TRÁS DA “ADESÃO MACIÇA” AO NOVO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS

A maciça adesão ao Novo Plano de Cargos e Carreiras proposto pela PUC-PR, que teria atingido o percentual de 90% dos professores da instituição e à dispendiosa arbitragem promovida pela CANATRA, reflete claramente os efeitos da coação promovida pelas autoridades universitárias contra os professores, aproveitando-se do clima de insegurança e de recessão que atravessa o país e do temor representado pelas diversas despedidas coletivas promovida pelos maristas antes do processo de “opção”.

Outro vício que macula a constrangedora “adesão” em massa chama-se dolo subjetivo, que é quando uma parte, aproveitando-se da premente necessidade da outra, impõe-lhe condições contratuais francamente desfavoráveis.

O Sinpes vê com otimismo o índice obtido a fórceps pela PUCPR. Só mesmo a intensa coação vivenciada pelos professores explica a “adesão” de mais do dobro dos professores que votaram inicialmente a favor das mudanças (cerca de 33,16% do total dos docentes). A intensa pressão sofrida ´pelos professores é a única explicação plausível para a “opção” por um plano que desmantela direitos históricos dos docentes sem qualquer contrapartida atraente.

A tentativa de transformar o debate proposto pelo Sinpes no principal campus da universidade com transmissão direta para todos em uma reunião a ser realizada no Instituto de Engenharia sem possibilidade de gravação de imagem e de som com seis participantes escolhidos pela PUCPR e seis escolhidos pelo Sinpes (ao contrário do palco oferecido ao Presidente da CANATRA por razões óbvias) é mais uma demonstração veemente da ausência de disponibilidade para com o diálogo e o debate livre de ideias, que contamina o processo.

Como última tentativa de desmontar pela salutar via da negociação a armadilha  preparada contra os direitos trabalhistas  dos professores da PUCPR o Sinpes proporá a mediação do impasse ao Ministério Público do Trabalho.