Sindicato dos Professores do Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana
Portal do SINPES.
Sejam bem-vindos!
Curitiba, 13 de abril de 2021.
 
Acervo de Aloísio Surgik chega à Universidade Tuiuti do Paraná

Enfim o acervo do saudoso Professor Aloísio Surgik, cuja vasta coleção conta com mais de quatro mil exemplares, será incorporado à Biblioteca Central da Universidade Tuiuti do Paraná. Ao acervo se junta a coleção do professor Moacir Lobo da Costa, totalizando 11.000 livros de Direito Romano e História do Direito.
Era desejo de Surgik que sua biblioteca permanecesse íntegra e disponível para consulta do maior número possível de estudantes, professores e pesquisadores, preferencialmente em uma Universidade Pública. Assim, depois de conversas frustradas com a Universidade Federal do Paraná, os livros chegaram a ser encaminhados para a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Entretanto, diante da impossibilidade da UFSC e de outras Universidades Públicas consultadas viabilizarem em curto prazo a organização e disponibilização do acervo em face dos graves problemas orçamentários que estas instituições vêm amargando, a família de Surgik autorizou a ida do acervo à Universidade Tuiuti do Paraná.
Considerando o relevante papel social e educacional desempenhado pela Tuiuti no meio jurídico paranaense e o fato de ser instituição de ensino em que o Professor Aloisio Surgik lecionou prazerosamente por muitos anos, sem qualquer incidente, com reiterado respeito à sua capacidade intelectual, seus posicionamentos filosóficos e ideológicos, assim como à sua liberdade de cátedra, a família consentiu que os milhares de livros do acervo fossem doados para essa instituição de ensino superior.

Os livros chegaram à Universidade Tuiti no último dia 10/11

Para Carolina Surgik, uma das filhas do professor que também era pai de Helena e Gustavo Surgik, foi um alívio perceber que o acervo do pai encontrou um destino apropriado. “Falando em nome dos meus irmãos que moram na Alemanha e também em nome da minha mãe Ana Maria Surgik, posso dizer que foi um alívio saber que meu ‘quarto irmão’ se encontra em boas mãos. Era uma preocupação muito grande de nossa parte saber que os livros, que para nosso pai eram realmente como um filho, fossem destinados de forma correta para que qualquer pessoa que queira ter acesso àquele conhecimento possa ter. Sua grande meta era essa, disponibilizar conhecimento. É uma felicidade imensa para a família Surgik”, destaca.
O acervo chegou à Tuiuti no último dia 10/11 e agora a universidade tem 180 dias para organizá-lo e disponibilizá-lo para consulta do público.

Sobre Aloísio Surgik

Surgik foi um defensor intransigente da democratização do Ensino Superior e da excelência do ensino, figurando como o principal artífice das conquistas obtidas pela categoria dos professores nas últimas décadas. Foi um dos fundadores do Sinpes e seu presidente por muitos anos.
Graduado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e doutor pela Universidade de São Paulo (USP), Aloísio Surgik começou sua carreira acadêmica em 1976, na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Ele também lecionou na UFPR, no Centro Universitário Curitiba (Unicuritiba), na Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), no Centro Universitário Internacional (Uninter) e na Universidade do Contestado (UnC), em Santa Catarina. Graduou-se, ainda, em letras na PUC-PR e filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Especialista em direito processual civil, teve como verdadeiras paixões a história do direito e, principalmente, o Direito Romano, matéria pela qual se tornou reconhecido e passou a ser referência. Foi autor de obras como “Lineamentos do Processo Civil Romano”, “Compêndio de Direito Processual Canônico” e “Viajando pela História – do Direito Romano ao Contemporâneo”.
Membro da Academia Paranaense de Letras Jurídicas e poliglota, lutou pela excelência do ensino, pela salvaguarda e ampliação dos direitos dos professores do ensino superior, pela democratização e humanização nas relações de trabalho e contra a apropriação indevida da res publica com incansáveis críticas ao EstaR, estacionamento regulamentado e à proliferação dos pedágios em rodovias federais e estaduais.