Sindicato dos Professores do Ensino Superior de Curitiba e Região Metropolitana
Portal do SINPES.
Sejam bem-vindos!
Curitiba, 23 de julho de 2019.
 
A Força do Argumento Contra o Argumento da Força

Ao invés de confirmar a presença do Magnífico Vice-Reitor para o debate convocado pelo Sinpes, que será transmitido em tempo real pela Internet a todos os interessados a partir de 16h00min de quarta-feira, dia 21.03.2018, até agora a PUCPR ignorou olimpicamente o convite.

Pior… Proibiu os dirigentes do Sinpes de frequentarem as salas de professores do Campus do Prado Velho para debater a “minuta em construção” do acordo coletivo de trabalho proposto. Como compensação “permitiu” que os dirigentes do Sinpes permanecessem confinados em uma sala erma no primeiro andar do “Bloco da Vida” por dois dias!

Desconsiderando a sistemática adotada pelo sindicato para discussão dos temas submetidos à negociação coletiva em Acordos Coletivos anteriores e consequentemente o princípio constitucional da autonomia sindical, a PUC ironicamente justificou esse ato antissindical “pautada em regras de boa convivência e respeito”!

Dado o clima de insegurança em que vivem os docentes da PUCPR após sucessivas despedidas coletivas seguidas de demissões ocorridas recentemente de forma incomum no início do semestre letivo, o constrangimento imposto na prática teve como objetivo evidente impossibilitar a interação do sindicato com os professores. A simples ida à sala designada certamente já seria motivo de represálias por parte da empregadora.

Frustrou-se, assim o debate e a possibilidade dos professores examinarem criticamente a proposta. A prevalecer essa postura da Universidade fica nítida sua intenção de celebrar acordo coletivo de trabalho na marra, numa tentativa de fazer omelete sem quebrar os ovos!

O Sinpes formulou pedido de reconsideração às autoridades universitárias, a fim de que seja tolerado o livre e respeitoso debate de ideias entre os professores e sua entidade de classe nos locais de maior afluxo dos docentes.

Afortunadamente o aviso da inusitada proibição chegou depois da primeira produtiva reunião realizada pelos dirigentes do Sinpes na sala dos professores do Bloco Vermelho. Na ocasião foram historiadas as diversas negociações coletivas já realizadas com a PUCPR e foi feito levantamento objetivo e conclusivo das diversas perdas que a categoria amargaria se aprovasse o acordo na forma como está proposto.

Alguns desses retrocessos têm sido objeto de inserções feitas pelo Sinpes no seu site, no face book e através de panfletos distribuídos no campus universitários, bem como serão aprofundados pelo representante do Sinpes no debate da próxima quarta-feira.